Evangelho do dia » 05/09/2017

3ª-feira da 22ª Semana do Tempo Comum

1ª Leitura – 1Ts 5,1-6.9-11

Jesus Cristo morreu por nós, para que,
alcancemos a vida junto dele.

Leitura da Primeira Carta de São Paulo aos Tessalonicenses 5,1-6.9-11

1 Quanto ao tempo e à hora, meus irmãos, 
não há por que vos escrever. 
2 Vós mesmos sabeis perfeitamente 
que o dia do Senhor virá como ladrão, de noite. 
3 Quando as pessoas disserem: ‘Paz e segurança!’, 
então de repente sobrevirá a destruição, 
como as dores de parto sobre a mulher grávida. 
E não poderão escapar. 
4 Mas vós, meus irmãos, não estais nas trevas, 
de modo que esse dia vos surpreenda como um ladrão. 
5 Todos vós sois filhos da luz e filhos do dia. 
Não somos da noite, nem das trevas. 
6 Portanto, não durmamos, como os outros, 
mas sejamos vigilantes e sóbrios. 
9 Deus não nos destinou para a ira, 
mas para alcançarmos a salvação, 
por meio de nosso Senhor Jesus Cristo. 
10 Ele morreu por nós, para que, 
quer vigiando nesta vida, quer adormecidos na morte, 
alcancemos a vida junto dele. 
11 Por isso, exortai-vos e edificai-vos uns aos outros 
como já costumais fazer. 
Palavra do Senhor. 

Salmo – Sl 26 (27),1. 4. 13-14 (R. 13)

R. Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver,
na terra dos viventes. 
1 O Senhor é minha luz e salvação;* 
de quem eu terei medo? 
O Senhor é a proteção da minha vida;* 
perante quem eu tremerei? R.

4 Ao Senhor eu peço apenas uma coisa,* 
e é só isto que eu desejo: 
habitar no santuário do Senhor* 
por toda a minha vida; 
saborear a suavidade do Senhor* 
e contemplá-lo no seu templo. R.

13 Sei que a bondade do Senhor eu hei de ver* 
na terra dos viventes. 
14 Espera no Senhor e tem coragem,* 
espera no Senhor! R. 

Evangelho – Lc 4,31-37

Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus!

+ Proclamação do Evangelho de Jesus Cristo segundo São Lucas 4,31-37

Naquele tempo: 
31 Jesus desceu a Cafarnaum, cidade da Galiléia, 
e aí ensinava-os aos sábados. 
32 As pessoas ficavam admiradas com o seu ensinamento, 
porque Jesus falava com autoridade. 
33 Na sinagoga, havia um homem 
possuído pelo espírito de um demônio impuro, 
que gritou em alta voz: 
34 ‘O que queres de nós, Jesus Nazareno? 
Vieste para nos destruir? 
Eu sei quem tu és: tu és o Santo de Deus!’ 
35 Jesus o ameaçou, dizendo: 
‘Cala-te, e sai dele!’ 
Então o demônio lançou o homem no chão, 
saiu dele, e não lhe fez mal nenhum. 
36 O espanto se apossou de todos 
e eles comentavam entre si: 
‘Que palavra é essa? 
Ele manda nos espíritos impuros, com autoridade e poder, 
e eles saem.’ 
37 E a fama de Jesus se espalhava 
em todos os lugares da redondeza. 
Palavra da Salvação. 

Reflexão – Lc 4, 31-37

As pessoas ficam admiradas com Jesus, porque ele ensina como quem tem autoridade. De onde vem a autoridade de Jesus? Não é uma autoridade política, pois Jesus não ocupava nenhum cargo importante na sociedade, e não é uma autoridade religiosa institucional, já que Jesus não tinha nenhuma função importante no templo ou na sinagoga. Podemos afirmar que a sua autoridade vem de si próprio, pois ele é Deus, mas o povo não sabia disso. O povo percebe a autoridade de Jesus a partir da coerência entre a sua pregação e a sua vida, compromissada com os pobres, necessitados e oprimidos, numa constante e vitoriosa luta contra todo tipo de mal.

Fonte: CNBB