Mensagem do padre » 08/11/2018

O que acontece depois da morte ?

O mês de novembro é inaugurado com duas importantes festas litúrgicas na vida da Igreja: Todos os Santos e Finados.

A Solenidade de Todos os Santos é celebrada no dia 1º de novembro, e a Comemoração dos Fiéis Defuntos, no dia 2. E não é por acaso que isso acontece. Ambas as celebrações nos colocam diante de um grande mistério: a morte, e são ocasiões para que se renove em nós a esperança na vida eterna.

A Igreja, incumbida por Jesus Cristo de guardar e transmitir fielmente o depósito da fé, nos ensina sobre o que acontecerá em nossos últimos dias. É o que chamamos de doutrina dos Novíssimos.

Os Novíssimos do homem são as coisas últimas que lhe sucederão: a morte, o juízo, o destino eterno. Vejamos o que significam cada um desses:

*Morte: é a separação do corpo e da alma. Aqui, nesta vida, está o nosso tempo de prova, em que podemos aceitar ou rejeitar a graça divina; a morte põe fim a este processo, como que “congelando” nossa alma no estado de escolha fundamental em que ela se encontra diante de Deus. Além disso, não existem várias vidas neste mundo (reencarnação), mas uma só. A morte entrou no mundo com o pecado, mas Cristo a venceu pela Cruz e Ressurreição, dando-lhe o novo sentido de passagem (Páscoa) para a verdadeira.

*Juízo: “Está determinado que o homem morra uma só vez, e logo em seguida vem o juízo.” (Hb 9,27). Logo no momento da morte, a alma é apresentada ao que chamamos Juízo  particular: diante de Jesus Cristo, a consciência do indivíduo será confrontada com o Evangelho, como que em dois filmes paralelos: em um se assiste ao que se fez, no outro, ao que se  deveria fazer. Vem então a recompensa eterna devida, de acordo com a Misericórdia e a Justiça de Deus. No último dia, acontecerá um novo e definitivo juízo: o Juízo Final. Acontecerá a segunda vinda do Senhor, os mortos ressuscitarão e todos serão julgados. Para aqueles que estiverem em graça, na amizade com Cristo, não será algo aterrorizante, como se poderia imaginar, mas o feliz e esperado encontro com aquele que amamos e do qual poderemos ouvir: “Servo bom e fiel, entra na alegria do teu Senhor”.

*O destino eterno: Depois do juízo particular, os que morreram na graça de Deus e perfeitamente purificados vão para o Céu; são os santos, reconhecidos oficialmente pela Igreja ou anônimos, que contemplam a Deus face a face. São esses que celebramos no dia 1º de novembro, tendo-os como exemplo e intercessores. O Paraíso é a maior felicidade que o ser humano possa experimentar, vivida eternamente. O contrário disso seria o inferno, que é permanecer, por própria escolha, para sempre separado de Deus; é o sofrimento da autoexclusão definitiva e eterna da alegria celeste. Mas, aos que morrem na graça de Deus, porém sem estar totalmente purificados, existe o  purgatório, um estado de purificação dos eleitos em preparação para  a entrada no  Paraíso.

No dia de Finados, nos recordamos e oramos especialmente por esses nossos irmãos que estão no purgatório – a Igreja padecente –para que, pela Misericórdia do Senhor, se santifiquem mais perfeitamente e entrem no Céu.

Que as celebrações de Finados e de Todos os Santos alimentem nossa fé e nossa esperança, fazendo-nos amar e querer o Céu de todo o coração e com todas as nossas forças.

Padre Christopher Velasco – Vigário Paroquial do Santuário