Mensagem do padre » 06/03/2017

Viver a Quaresma com Maria

A Quaresma é o tempo forte do ano litúrgico em que nos preparamos intensamente para celebrar a Páscoa do Senhor. Durante quarenta dias, da Quarta-feira de Cinzas ao Domingo de Ramos, nós, católicos, fazemos um grande retiro espiritual, buscando sincera conversão para melhor vivenciarmos a Paixão, Morte e Ressurreição de Cristo Jesus.

E a Quaresma deste ano, para nós, povo brasileiro, está inserida em um contexto muito especial: o Ano Mariano. Em 2017, comemoramos 300 anos do encontro da imagem de Nossa Senhora da Conceição Aparecida no Rio Paraíba do Sul. É ocasião, portanto, para aprendermos dela a como viver este tempo de graça e misericórdia, nos meios de santificação propostos pela Igreja: penitência, esmola e oração.

Maria, a Virgem dolorosa

No plano divino da Salvação, a Virgem das dores e Cristo Crucificado se associam intimamente. Jesus foi o “homem das dores” (Is 53,3), por meio do qual a humanidade foi redimida; Maria, Mãe de Deus, colaborou com a redenção da humanidade desde o “sim” da Encarnação até a participação na Paixão e continua a fazê-lo.

A Virgem Maria permaneceu em pé diante da Morte de seu Filho porque assim esteve em todos os seus dias. Diante de cada sofrimento, ela tudo guardava em seu coração e oferecia ao Pai em sacrifício. Com uma espada transpassando seu coração (Lc 2,35), ela teve a fortaleza e a determinação para entregar seu Filho e a si mesma à Vontade de Deus.

Como Nossa Senhora, sejamos íntimos do Senhor Jesus, participemos de Sua Paixão. Nesta Quaresma, além de jejuar e abster-nos de carne nos dias indicados pela Santa Igreja, ofereçamos como penitência o sacrifício dos nossos desejos carnais e a mortificação dos impulsos que causam desunião. Peçamos à Mãe que nos fortaleça para amar Jesus até a Cruz!

Maria, Serva na Caridade

Maria é a Mãe de Misericórdia, Auxiliadora dos cristãos. Tendo sido escolhida por Deus e feita a criatura mais perfeita, ela sempre se pôs a servir. Após ouvir do Arcanjo: “Ave, cheia de graça, o Senhor é contigo” (Lc 1,26), ela não se ensoberbece, mas demonstra sua humildade indo até Isabel.

Além disso, Nossa Senhora – seguindo os passos de seu Filho – tem uma preferência especial pelos empobrecidos. Em Aparecida, são pobres pescadores que encontram sua bendita Imagem; em Fátima, é a três pastorzinhos que ela aparece e fala tão proximamente. A esmola é a prática concreta da caridade cristã. De Maria aprendemos, portanto, a olhar para o outro com misericórdia, com o olhar de próprio de Jesus. Busquemos viver mais intensamente, neste tempo, as obras de misericórdia espirituais e corporais.

Maria, Mulher de Oração

No Magnificat, Nossa Senhora cantou a Deus: “A minh’alma engrandece o Senhor!” (Lc 1,46). Em Pentecostes, quando desceu o Espírito sobre a Igreja, ela esteve junto dos apóstolos em oração. Toda a sua vida foi dedicada ao silêncio e à oração. Aprendamos dela, portanto, a silenciar mais, rezar mais, ter o coração voltado para o Céu! Na oração do Terço, meditando os mistérios dolorosos, na meditação das dores de Maria, na leitura orante da Bíblia… deixemos que o mesmo Espírito Santo que desposou Nossa Senhora nos santifique e conduza à reconciliação com o Pai, por meio de Jesus Cristo.

Que Nossa Senhora Aparecida interceda por nós e nos mostre o rosto misericordioso do Senhor!

Diácono Christopher Costa Velasco