Notícias » 28/01/2020

Papa: cristãos sem alegria são prisioneiros das formalidades

cq5dam-thumbnail-cropped-1000-563

O Papa Francisco celebrou esta manhã (28/01) a missa na capela da Casa Santa Marta e no centro da sua homilia esteve a alegria de ser cristão.

O Pontífice inspirou-se na Primeira Leitura, extraída do Segundo Livro de Samuel, que narra a festa de Davi e de todo o povo de Israel pelo regresso da Arca da Aliança ao seu lugar, isto é, a Jerusalém.

O povo faz festa porque Deus está próximo

A arca tinha sido levada embora, recordou o Papa, e o seu retorno foi “uma grande alegria para o povo”, já que ele sente que Deus lhe está próximo, e exulta.

O rei Davi está com eles, coloca-se à frente da procissão, faz o sacrifício de um boi e de um carneiro a cada seis passos. Com o povo, exulta, canta e dança “com todas as forças”.

Havia uma festa: a alegria do povo de Deus porque Deus estava com eles. E Davi? Dança. Dança diante do povo, expressa a sua alegria sem sentir vergonha; é a alegria espiritual do encontro com o Senhor: Deus voltou entre nós. E isto nos dá tanta alegria. Davi não pensa que é o rei e que o rei deve ficar distante do povo, a sua majestade – não? -, com a distância… Davi ama o Senhor, está feliz com este evento de conduzir a arca do Senhor. Expressa esta felicidade, esta alegria dançando, e certamente também cantava como todo o povo.

Francisco afirmou que acontece o mesmo com a gente, de sentir alegria “quando estamos com o Senhor” e às vezes, na paróquia, as pessoas fazem festa. E citou outro episódio da história de Israel, quando foi reencontrado o livro da lei no tempo de Neemias e também ali “o povo chorava de alegria”, continuando a festejar inclusive em casa.

O desprezo pela espontaneidade da alegria

O texto do profeta Samuel continua descrevendo a volta de Davi para sua casa, onde encontra uma das mulheres, Micol, a filha de Saul. Ela o acolhe com desprezo. Vendo o rei dançar, sentiu vergonha dele e o repreendeu dizendo: “Mas não sente vergonha dançando como um vulgar, como alguém do povo?”.

É o desprezo da religiosidade requintada pela espontaneidade da alegria com o Senhor. E Davi explica para ela: “Mas veja, isso foi motivo de alegria. Alegria no Senhor, porque trouxemos a arca para casa!”. [Ela] despreza. E diz a Bíblia que essa senhora – se chamava Micol – não teve filhos por isso. O Senhor a puniu. Quando falta a alegria em um cristão, esse cristão não é fecundo; quando falta a alegria em nosso coração, não há fecundidade.

É preciso evangelizadores alegres para seguir em frente

O Papa Francisco observa então que a festa não se expressa apenas espiritualmente, mas se torna partilha. Davi, naquele dia, após a bênção, havia distribuído “um pão de forno para cada um, uma porção de carne assada e torta de uvas”, para que cada um festejasse em sua própria casa.

“A Palavra de Deus não se envergonha da festa”, afirma Francisco, que acrescenta: “É verdade, às vezes o perigo da alegria é ir além e acreditar que isso é tudo. Não: esta é a atmosfera de festa.”

E recorda então que São Paulo VI em sua Exortação Apostólica “Evangelii Nuntiandi“, fala desse aspecto e exorta à alegria. E Francisco conclui sua homilia com este pensamento:

“A Igreja não irá em frente. O Evangelho não irá em frente com evangelizadores enfadonhos, amargurados. Não. Somente irá em frente com evangelizadores alegres e cheios de vida. A alegria no receber a Palavra de Deus, a alegria de ser cristãos, a alegria de seguir em frente, a capacidade de festejar sem se envergonhar e não ser como esta senhora, Micol, cristãos formais, cristãos prisioneiros das formalidades”.

Via Vatican News